Está pensando em comprar um apartamento? É interessante conversar com a família, escolher um bom bairro e se organizar para sair do aluguel. Ainda assim, permanece a maior dúvida de todas: quanto é necessário para comprar um apartamento?

Afinal, você deve comprovar que tem condições de arcar com o valor total para começar a pensar em financiamento. Mas, quanto é essa quantia? Qual modelo utilizar? Para responder essas e tantas outras perguntas, preparamos este conteúdo especialmente para você.

Quais são os modelos mais comuns de financiamento?

comprar um apartamento

Para financiar um apartamento, você pode recorrer a diferentes formas: existem, no Brasil, programas específicos como o Casa Verde e Amarela, que têm critérios diferentes daqueles que são comumente oferecidos pelos bancos e construtoras.

Há, ainda, o Sistema Financeiro de Habitação (SFH) e a Carteira Hipotecária (CH).

De maneira geral, o primeiro lida com imóveis de até R$ 264 mil e o segundo com aqueles cujos valores superam essa marca.

Na maioria dos casos, o processo se inicia a partir da comprovação de sua renda familiar mínima.

Ela nada mais é do que uma forma de comprovar quanto você e a sua família ganham no mês ou ano e pode ser feita por meio de holerites, declarações do Imposto de Renda etc.

O critério para aprovação do financiamento, muitas vezes, se vale sobre a renda comprovada. Ou seja, quanto mais alto for o seu ganho mensal, mas alto pode ser o valor do imóvel.

Isso acontece por conta do fato de que as instituições que financiam entendem a renda como uma garantia e deduzem, por meio dela, que não haverá problemas com o pagamento das parcelas.

Comprar um apartamento: como são feitos esses cálculos?

comprar um apartamento

Embora sejam coisas consideravelmente próximas, existem algumas diferenças entre a renda mínima e a familiar.

Entendê-las pode ajudar a pagar juros menores e comprar o imóvel que você tanto deseja.

Renda familiar

Como dito anteriormente, ela consiste na soma dos seus ganhos mensais e também a dos familiares que estarão envolvidos com o financiamento.

Caso seu salário seja de R$ 3 mil e o de sua esposa R$ 4 mil, por exemplo, vocês têm, juntos, uma renda familiar de R$ 7 mil.

Veja que não é apenas o seu cônjuge que pode, junto com você, participar da comprovação de renda para comprar um apartamento. Outras pessoas são aceitas pela maioria dos bancos, sendo que o limite de componentes varia de acordo com cada instituição. Mas, cada um dos envolvidos nesse processo realizam um cadastro a ser avaliado, não podendo apresentar nenhuma restrição de crédito.

Ou seja, quem vai comprovar renda junto com você tem de estar com o nome “limpo”, fora das listas de devedores dos órgãos de proteção ao crédito e do Banco Central, entre outras exigências.

Renda mínima

Em programas como o Casa Verde e Amarela, da Caixa Econômica Federal, há um limite mínimo de renda familiar. Essa é uma forma de limitar o acesso àqueles que têm um rendimento mensal não muito alto.

Para você saber se a sua renda se encaixa no Programa, elencamos os valores dos ganhos mínimos contemplados, a seguir:

  • Famílias com renda mensal bruta de até R$ 2.400,00: Pode adquirir imóvel com taxa de juros nominal de até 4,75% a.a. e, para cotistas do FGTS, taxa de 4,25% a.a.
  • Famílias com renda bruta de R$ 2.400,01 até R$ 2.600,00: A taxa de juros nominal do financiamento pode chegar até 5,25% a.a. e, para cotistas do FGTS, taxa de 4,75% a.a.
  • Famílias com renda bruta de R$ 2.600,01 até R$ 3.000,00: A taxa de juros nominal do financiamento pode chegar até 6% a.a. e, para cotistas do FGTS, taxa de 5,50% a.a.
  • Famílias com renda bruta de R$ 3.000,01 até R$ 4.000,00: A taxa de juros nominal do financiamento pode chegar até 7% a.a. e, para cotistas do FGTS, taxa de 6,5% a.a.
  • Famílias com renda bruta de R$ 4.000,01 até R$ 7.000,00: Para essas famílias, na aquisição da casa própria, é disponibilizada taxa de juros nominal de 7,66% a.a e, para cotistas do FGTS, taxa de 7,16% a.a..

O desconto – subsídio – pode chegar ao teto máximo de R$ 47.500,00 sendo considerados os fatores sociais, de renda, capacidade de pagamento e especificidades da população de cada região.

Nos casos de financiamentos destinados a titulares de conta vinculada, com no mínimo 3 anos de trabalho sob o regime do FGTS, a taxa de juros dos financiamentos será reduzida em 0,5% a.a..

Quanto às demais linhas de crédito imobiliário oferecidas por bancos e construtoras, em geral, costumam estabelecer um piso necessário de acordo com o preço do apartamento.

Regra dos 30%

Independentemente de qual for o molde escolhido, lembre-se sempre da “regra dos 30%”. É muito difícil uma instituição permitir que as parcelas do financiamento sejam maiores do que 30% da renda familiar total. Dependendo do perfil de risco de quem busca pelo financiamento, esse limite pode até mesmo ser menor.

Quanto é necessário para comprar um apartamento?

comprar um apartamento

Como visto, isso pode variar bastante de acordo com as suas necessidades e objetivos. Dar uma entrada maior pode ser estratégico, se você pensa em uma quitação mais ágil.

Mas, como juntar o valor de uma boa entrada? Planejamento é a resposta para você conseguir isso. Então, comece o quanto antes a analisar o seu orçamento, cortar gastos e poupar para comprar o apartamento dos sonhos.

Fique atento à melhor aplicação para o dinheiro economizado, aquela que der a você maior segurança e facilidade de movimentação.

Não se esqueça também de que é possível usar o FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) como entrada para financiar seu imóvel.

Ao calcular o quanto é preciso ter para fazer frente às despesas da aquisição do apartamento, inclua nas suas contas a despesa com documentações. Dela fazem parte impostos e taxas, entre eles:

Escritura

A escritura definitiva do imóvel é feita no cartório de notas, nela consta o valor total da transação imobiliária. Esse valor servirá como base para o cálculo do Imposto Sobre Transmissão de Bens Imóveis (ITBI) e Imposto de Renda (IR).

O documento que formaliza a transmissão definitiva do imóvel para o comprador tem preço definido em tabela, de acordo com a faixa de preço do bem negociado. Importante destacar que, nos casos de financiamento, o Contrato de Compra e Venda de Imóvel possui o mesmo valor legal da escritura. Nesse caso, ele deve ser levado ao cartório de registro de imóveis para efetuar o Registro de Compra em Cartório.

Registro do imóvel

Esse documento comprova por lei quem é o proprietário do apartamento ou casa e deve ser feito em um cartório de registro de imóveis. Sua principal finalidade é a de transferir a titularidade do bem do antigo proprietário para o novo dono. Em outras palavras, para passar o imóvel para o seu nome, é preciso providenciar este registro.

O valor dessa taxa cartorial pode variar, pois são somadas diversas taxas de acordo com a faixa de preço de imóvel e o estado em que ele está localizado.

Comissão do corretor

Para garantir a segurança de todas as etapas da transação, é muito importante contar com o suporte de uma imobiliária com credibilidade no mercado para intermediar o processo.

Sendo assim, é preciso acrescentar a comissão do corretor em sua lista de gastos para comprar um apartamento. O custo da taxa pode variar entre 4% e 10% sobre o valor total do imóvel em questão.

Valor da entrada do imóvel

Em um financiamento imobiliário será exigida uma quantia à vista, conhecida como entrada. O valor varia de acordo com a renda mensal familiar, mas em média, deve representar 30% do valor total do imóvel, enquanto o restante será financiado.

A instituição financeira que for realizar seu financiamento avaliará alguns aspectos que servirão de parâmetro para definir o valor da entrada, como sua renda declarada. Lembrando que a prestação não poderá ultrapassar 1/3 de seus rendimentos mensais.

Vale mencionar, ainda, que no caso de financiamentos realizados por meio da Caixa Econômica Federal, a entrada mínima para apartamentos usados é de 20%.

Escritura pública

A escritura pública é um documento necessário apenas para quem pretende comprar o imóvel à vista, já que, no caso de um financiamento imobiliário, o contrato com o banco tem a mesma validade de uma escritura pública.

De qualquer forma, os custos com esse documento também podem variar de acordo com o estado e com o preço da propriedade em questão. Neste link é possível conferir a tabela para o estado de São Paulo.

ITBI

documentos-para-financiamento-imobiliario

O Imposto Sobre Transmissão de Bens Imóveis é baseado no valor do bem que você comprar (preço de mercado). Quem cobra essa taxa é o município, portanto, a porcentagem muda dependendo da cidade em que o apartamento está localizado.

Para você já adiantar a conta, tenha em mente que o imposto vai custar em média 2% do preço da propriedade.

Vale deixar claro que a compra do primeiro imóvel é beneficiada, por lei, com descontos — e até mesmo isenções — de taxas cartoriais. Isso, desde que comprovadas certas condições, como quando o financiamento é de apartamento para uso exclusivamente residencial, realizado por meio do Sistema Financeiro da Habitação (SFH).

Outros gastos para comprar um apartamento

Por fim, ao tomar a decisão de comprar um apartamento, é muito importante estar sempre preparado para a possibilidade de gastos adicionais com documentos e taxas, como o serviço de retirada de certidões negativas por meio de um despachante.

Esse documento tem a finalidade de mostrar que o vendedor do imóvel não tem dívidas que comprometam o patrimônio e possam atrapalhar a negociação ou até mesmo serem herdadas pelo novo proprietário. O custo para retirar uma certidão negativa varia de estado para estado.

Como você pôde conferir, comprar um apartamento é uma decisão inteligente, que demanda planejamento para fechar o negócio de forma consciente, a fim de evitar problemas.

Por isso, calcular o mais exatamente possível como essa aquisição impactará as suas finanças é fundamental para resultar em máxima tranquilidade no desfrutar de sua tão merecida conquista.

Tags